Home SEAAC Blog SEAAC Twitter Olho no Olho Base/Atendimento Presidenta Diretoria Categorias Circulares CCT Jurídico Homologações Currículos Parcerias Lembrador Info da Hora Seaac Acontece Associe-se Já! Colônia de Férias EAA Cadastro Empresa Cadastro Associado Salão de Beleza

 

 

SEAAC ACONTECE

 

 

FEAAC e SEAACs levaram dois ônibus para marcha em Brasília

 

 

A FEAAC (Federação dos Empregados de Agentes Autônomos do Comércio do Estado de São Paulo) em apoio aos SEAAC’s de Americana, Campinas, Araraquara, Sorocaba, Marília, Santos, Santo André e São José dos Campos enviou dois ônibus à Brasília, para participar da “Marcha da Classe Trabalhadora”, ocorrida ontem.  O objetivo da marcha que reuniu mais de 100 mil trabalhadores de todo o Brasil foi pedir a saída do Presidente Michel Temer e o fim das reformas trabalhista e da previdência.

 

O SEEAC de Americana e Região, presidido por Helena Ribeiro da Silva, levou um representativo número de diretores, empregados e trabalhadores da categoria, mostrando disposição para lutar pela manutenção dos direitos adquiridos ao longo da história. Tanto a sede, em Americana, como as sub sedes de Limeira e Piracicaba permaneceram fechadas entre terça-feira (23) e quinta-feira (25) por ocasião da viagem e ato na Capital Federal.

Os milhares de trabalhadores vindos de todo o Brasil se concentraram na área de estacionamento do Estádio Mané Garrincha, onde em vários carros de som lideranças sindicais e políticas se manifestaram, fazendo o chamado “esquenta” para a marcha que seguiu do Estádio até a Esplanada dos Ministérios, defronte ao Congresso Nacional e Palácio da Alvorada.  A presidenta do SEAAC, Helena, discursou no carro de som da Força Sindical, sendo aplaudida pelos manifestantes, quando disse que sua entidade estava pronta para lutar incessantemente pela manutenção dos direitos dos trabalhadores e pelo “fora Temer”.

 

A passeata saiu do ponto de concentração às 11 horas e marchou 5 quilômetros até o Congresso Nacional, sempre com o carro de som da organização à frente, ditando o ritmo da passeata e orientando os trabalhadores. A multidão pacífica e ordeira entoava cantos pedindo a manutenção dos direitos e a saída de Michel Temer. Na chegada ao local da concentração os sindicalistas e trabalhadores foram recepcionados por deputados e senadores sensíveis às causas do movimento.

 

Logo que se iniciaram os pronunciamentos, o local foi invadido por ativistas black blocs, que usando máscaras e desrespeitando a organização do ato entraram em confronto com policiais, transformando o local numa praça de guerra com tiros, pedradas, lançamentos de bombas e depredação. O presidente da FEAAC, Lourival Figueiredo Melo e os presidentes dos SEAAC’s, sensatos, levaram o seu grupo para local afastado da área de conflito. Tanto a FEAAC como os SEAAC’s lamentaram  a ação dos black blocs , assim como a violência utilizada pela polícia. Mas enalteceram que a união de mais de 100 mil trabalhadores mostra que as mudanças não serão aceitas sem oposição das entidades de classe, responsáveis pela representação dos empregados. “Podemos dizer que apesar de tudo, foi uma marcha vitoriosa. Nos sentimos orgulhosos de fazer parte desta história. Não fugiremos da luta”, concluiram.

 

O que são “black blocs”? 

O ativismo black bloc  (“Bloco Negro”) tem origem na Alemanha entre os anos 70 e 80. Hoje tem seguidores em diversos países. Não é um movimento de organização única, sendo, portanto, dividido em grupos distintos que de forma geral questionam a ordem vigente nos países em que atuam. Utilizam, normalmente, roupas negras e cobrem os rostos com máscaras de diferentes tipos ou tecidos enrolados na face. Suas ações tem se caracterizado pelo confronto com a polícia, se estendendo para danos materiais.

mai/17

 

 

Sindicato dos Empregados de Agentes Autônomos do Comércio de Americana e Região

Trabalhador Conscientizado, Sindicato Transformado!