Home
SEAAC Blog
SEAAC Twitter
Olho no Olho
Base/Atendimento
Presidenta
Diretoria
Categorias
Circulares CCT
Acordos por Empresa
Jurídico
Homologações
Currículos
Parcerias
Lembrador
Info da Hora
Seaac Acontece
Associe-se Já!
Colônia de Férias EAA
Cadastro Empresa
Cadastro Associado
Salão de Beleza

 

EDITORIAIS

 

REMEMORANDO...

 

Quando o ano chega ao fim, começamos a rememorar o período que passou, fazendo avaliação das intervenções do nosso Sindicato no cotidiano dos trabalhadores.

 

É um momento no qual comemoramos os acertos e analisamos os erros, para aprender e ampliar nosso conhecimento, orientando nossos próximos passos para alcançar novas conquistas, afinal os desafios servem sempre de estímulo para nos irmanarmos ainda mais aos trabalhadores que representamos, para lutarmos pelas causas coletivas.

 

Assim, encerramos o ano de 2005 com a certeza de que, apesar de todas as dificuldades e obstáculos este foi um ano positivo para todos nós. Graças ao espírito criativo e empreendedor de todos, conseguimos passar por este ano agindo e conquistando espaços.

 

Talvez nossas ações ficassem aquém daquilo que inicialmente planejamos, no entanto, o importante é que algo foi feito dentro das possibilidades impostas pelas circunstâncias. Aprendemos com as dificuldades, buscando extrair o máximo de proveito de cada vitória.

 

O Seaac deseja que 2006 seja marcado pela conquista de todos os sonhos, com muita paz, saúde e felicidade no coração!

 

A Diretoria

 

 

UMA PEQUENA PARADA...

 

Chegamos novamente ao Natal e ao fazermos um balanço de nossas realizações, parece que assistimos a reprise de um filme que já estamos cansados de ver.

 

Dizer que o ano foi difícil, duro, sacrificante, não passa de lugar comum. Essa retórica de caráter inconformista, talvez seja fruto da ambição, própria do ser humano, de se aprimorar constantemente, deixando de valorizar as pequenas e importantes conquistas do cotidiano que, somadas representam um valioso saldo em nossas vidas. isto, ás vezes, é difícil de ser percebido e o Natal surge como a ocasião propícia para uma pequena parada... uma reflexão.

 

O Natal é a expressão concreta do Amor, como fator de integração entre os homens e, portanto, fundamento da Vida. Só o Amor torna os homens humanos e capazes de se entenderem, compreendendo um o valor do outro, do trabalho e desenvolvimento. É através do amor que a humanidade converge para seu próprio Natal. E o objetivo do Amor, não é amar o belo, mas criá-lo; e criar continuamente a partir do nada!

 

A mensagem do Natal não deve ser sufocada pela rotina que nos absorve. É preciso ter a força para amar e trabalhar em todas as dimensões do cotidiano, suscitando esperanças e novos sonhos, não deixando que o Natal se torne notícia de ontem. Cabe a nós renovar todos os dias essa força que nos proporciona infinita disposição para lutar!

 

Que o Natal se renove a cada dia de cada ano novo!

 

A Diretoria

 

 

VIOLÊNCIA DE GÊNERO

 

O dia 25 de novembro foi declarado Dia Internacional da Não-Violência contra a Mulher no 1º Encontro Feminista Latino-americano e do Caribe (Bogotá, Colômbia, 1981) em memória das ativistas políticas conhecidas como irmãs Mirabal (Pátria, Minerva e Maria Teresa), assassinadas pela ditadura de Leônidas Trujillo (República Dominicana).

 

Em março de 1999 a data foi reconhecida pelas Nações Unidas como Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, visando impulsionar a ação de governos e da sociedade no combate à violência contra a mulher, que para a ONU é: "uma trágica epidemia que destroça a vida de mulheres e meninas, divide comunidades sendo um entrave ao desenvolvimento de todas as nações". A violência contra a mulher, atualmente é denominada violência de gênero (violência contra a mulher na vida social privada ou pública).

 

A violência contra a mulher (ou violência de gênero) acontece em todas as idades, classes sociais, etnias, religiões ou orientações sexuais, devido a uma construção social dos gêneros, que atribui papéis diferenciados e valorizados conforme o sexo de quem os desempenha. Essa violência pode ocorrer em qualquer lugar: no trabalho (assédio sexual, salário desigual), nas relações conjugais (agressão física, ameaça, estupro, violência psicológica/emocional) na participação social (a transformação da mulher em objeto, através da exploração do seu corpo pela mídia) etc.

 

Diversos estudos e documentos nacionais e internacionais apontam para o fato de que a violência contra a mulher exige ações integradas para um enfrentamento mais efetivo do problema. Entre elas, a construção de redes de serviços que articulem a atuação governamental e não-governamental em áreas como segurança pública, justiça, saúde, educação, assistência social, habitação, entre outras. É um longo e árduo caminho, que vem sendo trilhado passo a passo por milhares de mulheres corajosas!

 

25 de novembro é um dia para lembrar, protestar e mobilizar a sociedade para que participe desta luta!

 

A Diretoria

 

 

Sem luta ninguém consegue nada”

 

Foi com essa frase que o fundador do Lar das Meninas Vó Antonieta, Arlindo Vanucci, resumiu seus 40 anos de trabalho voluntário. Vanucci proferiu a palestra de abertura da 12ª Conferência de Metafísica e Autocura, em Americana, dia 6 de novembro. O evento teve como tema a solidariedade.  Para mostrar os resultados e incentivar o ingresso de mais pessoas na ação voluntária das instituições da região, a Fraternidade Lux de Harmonização organizou a conferência, levando para o público as experiências e conquistas de instituições de Americana, Nova Odessa e Santa Bárbara d’Oeste sobre o trabalho voluntário.

 

Ora, sabemos que a incompetência do poder executivo em fornecer os direitos básicos dos cidadãos, principalmente dos pobres, levou a iniciativa privada a assumir tarefas que eram consideradas exclusivas do Estado, o que se chamou de Terceiro Setor (o Estado é considerado o primeiro setor e o mercado voltado à geração de lucro, o segundo setor).

 

Assim, organizações não governamentais e entidades filantrópicas substituem o Estado onde ele não é capaz de prover à população e, para tanto, estas entidades necessitam de pessoas dispostas a trabalhar, não por dinheiro, mas pela generosidade ajudando o próximo. O trabalho voluntário é a solidariedade aplicada ao próximo, que não busca uma retribuição material. Voluntário é toda pessoa que, devido ao seu interesse pessoal, dedica parte de seu tempo, sem remuneração alguma, a diversas formas de atividades, organizadas ou não, de bem-estar social ou em outros campos (ONU).

 

Assim sendo, qualquer pessoa pode ser voluntária, independente do grau de escolaridade,  idade, cor ou credo. O importante é ter boa vontade e responsabilidade. Se não der certo com a primeira entidade, não desistir, pois, tem muita gente precisando de ajuda. Tentar sempre outra vez, buscando entender como a entidade funciona e do que ela necessita, sem esquecer que o trabalho voluntário exige o mesmo grau de profissionalismo que uma empresa qualquer.

 

De fato, a luta por uma sociedade mais justa não pode prescindir, hoje,  do trabalho voluntário, dedicado, solidário e muitas vezes superior em qualidade ao trabalho profissional. Se você deseja colaborar de alguma forma, consulta o endereço http://www.voluntarios.com.br. Neste site existem mais de 4.850 entidades cadastradas. Pesquise uma perto da sua casa ou trabalho, veja se a área de atuação da entidade está de acordo com a sua intenção de trabalho e depois da escolha marque um dia para conhecê-la pessoalmente.

 

Lembre também que a prática de valores voluntários contribuirá pelo desenvolvimento da sociedade e pelo progresso do homem, além representar um crescimento interior do próprio indivíduo. Vamos participar?

 

A Diretoria

 

 

SEDUÇÃO E DESLUMBRAMENTO....

 

A onda de escândalos políticos derrubou a postura ética que elegeu o governo petista, mostrando que a sedução e o deslumbramento pelo poder na máquina executiva criou uma das mais surpreendentes crises que o Brasil já vivenciou.

 

O lado positivo da crise é que fará o eleitor avaliar rigorosamente os candidatos na eleição de 2006. Em 2002, o pleito foi bem simplista, como o referendo das armas. A pergunta implícita era: você é a favor ou contra o governo? 

 

Por conta do embrólio criado, em 2006 a eleição será de debate. O eleitor estará mais atento, criterioso, consciente, mais exigente com seus representantes. É exatamente por isso que a TV Câmara e TV Senado estão batendo recordes de audiência, tal qual as novelas globais.  Até aquelas pessoas que moram nos lugares mais longínquos, sabem e entendem o momento que o país está atravessando. Todo mundo sabe que os culpados nesta crise têm nome, endereço, identidade e CPF, que corromperam o sistema político-eleitoral e devem ser escorraçados dos tapetes azuis e verdes das casas legislativas.

 

É claro que isso não fará o eleitor brasileiro típico deixar de votar em pessoas (não votamos em partidos), nem deixará de ser exigência para qualquer político ser um bom candidato aos olhos de muita gente. A diferença é que, agora, será preciso ser ainda melhor candidato. Os bons candidatos seja para o Congresso, seja para os Governos Estaduais, ano que vem serão votados pelo que são e deixam de ser, sem a ajuda daquele algo mais que qualquer caixa dois pode proporcionar. Vista até a pouco como um "passeio", a eleição presidencial de 2006 tornar-se-á bem competitiva.

 

Tanto assim será que o Não ganhou o referendo do desarmamento, mostrando claramente que o eleitor não está nadinha satisfeito com o “modus governandus” petista!

 

A Diretoria

 

 

SIM,  A VIDA AGRADECE!

 

O Brasil é o país do mundo com o maior número de pessoas mortas por armas de fogo. Em 2003 foram 108 mortes por dia, quase 40 mil no ano! (Datasus, 2003). Arma de fogo é a primeira causa de morte de homens jovens no Brasil! Mata mais que acidentes de trânsito, AIDS ou qualquer outra doença ou causa externa. (Datasus, 2003).

 

O Brasil tem armas demais! São 17,5 milhões, 90% nas mãos de civis. Nos últimos dez anos, a sociedade tem se mobilizado contra a violência, com a formação de ONGs e a participação de diferentes grupos, além da realização de campanhas de recolhimento de armas. No ano passado, foram recolhidas 450 mil em todo o País. Foi pouco e os vendedores de armas querem continuar faturando com essa indústria mortal.

 

Os defensores das armas dizem que o desarmamento é típico das ditaduras e querem nos convencer de que não adianta proibir o comércio legal porque os criminosos usam armas ilegais. Os defensores das armas também dizem que, com a proibição do comércio, a venda clandestina de armas vai aumentar e que... os carros também matam. O lobby das armas usa dados questionáveis sobre crimes e homicídios em países onde as armas são rigorosamente controladas.

 

Entretanto não é muito difícil perceber que: as armas de fogo são responsáveis por inúmeras mortes no Brasil, que o jovem é a principal vítima, que ter arma em casa é muito mais um risco do que uma proteção, que armas de fogo transformam conflitos banais em tragédias para a vida toda, que as armas causam acidentes, que as armas são usadas em suicídios, que tirar armas de circulação ajuda a desarmar criminosos, que a maioria das armas em circulação é brasileira e não contrabandeada, que as armas de fogo são letais, que as armas geram altos custos à saúde pública.

 

Sabemos que o desarmamento não é a única solução para o problema da violência, mas é um primeiro e corajoso passo, e o referendo nos dá o poder de fazer alguma coisa pelo nosso bem mais importante: a vida!

 

Não vamos perder esta oportunidade, deixando tudo como está. Em 23 de outubro diga sim à vida. Vote pelo desarmamento!

 

A Diretoria

 

 

DESENVOLVENDO O CONCEITO!

 

A RMC, com cerca de 4 milhões de habitantes, responde por 9% do PIB nacional e sua produção industrial é superior a de todos os outros estados do país, com exceção da região metropolitana de São Paulo. É a região que mais cresce em todo o estado e, em sua maioria, as indústrias são de grande complexidade tecnológica.

 

A taxa de desemprego na Região Metropolitana de Campinas (RMC) está no índice mais baixo dos últimos quatro anos. É a primeira vez, desde dezembro de 2001, que a relação entre a quantidade de desempregados e a População Economicamente Ativa (PEA) fica abaixo dos 10%.


A geração de 27.472 postos de trabalho formais e mais 24.181 vagas no setor informal derrubou a taxa de desempregados de 12,1% da PEA registrada em dezembro de 2004 para 9,9% em julho desse ano.

 

É neste contexto que, “com investimentos de US$ 3 milhões, a Motorola do Brasil instala em Jaguariúna, por meio de uma parceria, a empresa JHT Industrial Jaguariúna Ltda, uma versão brasileira da Jurong Hi-Tech Industries Pte Ltda., com sede em Cingapura (Malásia). A empresa é parceira da multinacional na montagem de placas de circuito impresso - o “cérebro” dos aparelhos celulares - e vai gerar cerca de 400 novos empregos”.  

Ora, embora as estatísticas sejam positivas, não podemos esquecer que o número de desempregados na região é alto e que a oferta de vagas em uma cidade, acaba atraindo um fluxo migratório da vizinhança que acaba invalidando o benefício para os moradores da própria cidade.

 

Para que isto não ocorra, é necessário que a sociedade possa desenvolver o conceito de região metropolitana que é relativamente novo, criando parâmetros de gerenciamento da região que fiquem além da esfera do município e aquém da esfera do estado, para que todas as cidades possam ter igual êxito no combate ao desemprego.

 

As lideranças locais devem conscientizar-se de que a solução para este e outros problemas que afligem igualmente todas as cidades deve ser obtida através de um esforço conjunto, uma atuação forte, intermunicipal, que possa atender a toda região. Também é fundamental uma postura de entendimento, confiança e suprapartidarismo dos prefeitos dos 19 municípios, além uma relação estreita e madura entre o governo estadual e a região. Este é o único caminho para vencermos o desemprego na RCM.

 

A Diretoria

 

 

TENTE PARTICIPAR..

 

A campanha de Doação de Medula óssea organizada pelo Sesi (Serviço Social da Industria) e a AME-O (Associação de Medula Óssea) em 4 de setembro recebeu pouca adesão dos moradores de Americana, segundo balanço parcial dos organizadores. A adesão é difícil, porque a doação de medula exige muito mais das pessoas do que uma simples doação de sangue, onde só estendemos o braço e vamos embora.

 

Entretanto seria bom refletirmos um pouco sobre este assunto. O Transplante de Medula Óssea é a única esperança de cura para muitos portadores de leucemias e outras doenças do sangue. Conseguir um doador compatível é um enorme problema. A chance de encontrar uma medula compatível pode chegar a uma em um milhão!  Some-se a isso o medo de doar, que vem associado ao medo da morte; não queremos nos preocupar com este assunto em vida; é mais fácil não pensar sobre “isso”, porque “isso” não acontece conosco ou com a nossa família!

 

Ledo engano! Ninguém está livre de nada neste mundo e, por isso, precisamos vencer essa inércia que nos faz ignorar esse tema, encarando-o de frente. Afinal, para o doador a doação será apenas um incômodo passageiro. Para o doente, será a diferença entre a vida e a morte. E muitas pessoas já morreram a espera de um doador.

 

Temos nos orgulhado sempre de ser um povo solidário, generoso e cheio de amor do próximo, temos demonstrado isso nas inúmeras tragédias que acontecem pelo país afora. Vamos então nos solidarizar com as pequenas tragédias que acontecem silenciosas a cada dia.  Seja um doador!

 

Qualquer pessoa com boa saúde entre 18 e 55 anos poderá doar medula óssea. Num primeiro momento você terá apenas de doar uma pequena quantidade de sangue que servirá para fazer seu cadastro no Banco de Doadores de Medula Óssea. Caso você tenha compatibilidade com algum receptor, será convidado a fazer a doação da medula. Será convidado e não obrigado a fazer a doação. Faça sua parte...tente participar!!!! 

 

A Diretoria

 

 

Faxina Urgente...

 

Membros da diretoria da Santa Casa de Misericórdia – Hospital Santa Bárbara usaram a tribuna da Câmara Municipal para expor a situação financeira da instituição que, segundo o primeiro secretário, Laerte Tadeu Zucollo, é alarmante. De acordo com os números apresentados pelos diretores, o único hospital da cidade para atendimento de pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde) tem uma dívida de R$ 3,444 milhões.  Um dos principais fatores desta dívida é a defasagem dos repasses do SUS aos procedimentos prestados pela instituição problema que se arrasta há pelo menos 12 anos, aumentando o saldo de dívidas.

 

Na verdade esse é um problema que atinge todas as Santas Casas. Com dívida de R$ 1,5 bilhão em 2005, segundo a Confederação das Santas Casas, o setor hospitalar filantrópico no país passa por uma das piores crises de sua história. Muitos hospitais devem ao BNDES, a bancos privados, a fornecedores e tributos federais, como o recolhimento de fundo de garantia, INSS do empregado e passivos trabalhistas

 

Além da defasagem da tabela SUS, há atrasos de pagamentos dos gestores nas três esferas de governo; e não há repasse do excedente do teto de internações e procedimentos. Outro problema sério tem sido o pagamento dos médicos pelo chamado Código 7. Antes, os médicos recebiam diretamente do Ministério da Saúde por produção, mas com a Gestão Plena Estadual passaram a receber diretamente das Santas Casas e filantrópicas. Não raro, esses hospitais retém os recursos ou não contam com estrutura administrativa para efetuar os pagamentos. Também não pode ser ignorada a má gestão de algumas Santas Casas.

 

Por conta de tantos problemas, o setor também apresenta o pior desempenho na avaliação do preenchimento dos prontuários e na análise de equipamentos das enfermarias, salas de cirurgia e das equipes dos prontos-socorros, havendo no pais cerca de 30 instituições sob intervenções federal, estadual ou municipal. Nos últimos cinco anos vários hospitais fecharam suas portas.

 

É inegável a posição preferencial de parceria das Santas Casas e dos hospitais filantrópicos com os governos municipais, estaduais e federal na promoção de ações de saúde e assistência social, conforme previsto nos arts. 196,197,198 e 199 da Constituição Federal e 25 da Lei nº 8.080, de 1990. Vale lembrar que esses textos definem que a saúde é um direito de todos e um dever do Estado, que são de relevância pública as ações de saúde (...) devendo sua execução ser feita diretamente ou através de terceiros (...) e que as instituições privadas poderão participar de forma complementar do Sistema Único de Saúde (...) tendo preferência as entidades filantrópicas e as sem fins lucrativos.  Não se pode negar que o apoio e o reconhecimento governamental existem, mas a relação governo/santa casa mostra-se em desequilíbrio, com ações que não têm sido suficientes para solucionar a crise.

 

É necessário que o governo reconheça que é vital para o funcionamento do SUS essa parceria com as filantrópicas, sem as quais o atendimento à população seria um verdadeiro caos. No entanto, a imposição de forma unilateral dos preços dos serviços prestados pelo Governo Federal, completamente em desacordo com a realidade dos custos, compromete a sobrevivência das Santas Casas e dos hospitais filantrópicos em todo o País.

 

Parece que este setor também deve estar precisando de uma faxina... urgente, para que quinhentos anos de história desses parceiros estratégicos do governo, essenciais para a operação e sobrevivência do SUS, representantes da sociedade civil organizada que espelham o que há de melhor na sociedade brasileira, prestando um serviço filantrópico voluntário, complementando as ações do setor público unicamente com o objetivo de servir e fazer o bem ao nosso povo, não seja jogado fora!

 

A Diretoria

 

 

MULHERES DA HORA!

 

As mulheres trabalhadoras sempre mereceram uma atenção especial por parte de nosso Sindicato, pois, ainda persiste a discriminação salarial e a dificuldade de acesso a postos de comando nas empresas e mesmo na área sindical. Com este pensamento, temos nos envolvido em diversos embates, em várias esferas, a fim de modificar esta situação.

 

O último, travamos no 5º Congresso Nacional da Força Sindical, onde nosso sindicato apresentou tese em parceria com a Secretaria da Mulher Nacional da Força. Um dos pontos principais foi atendido pela direção da Central na abertura do evento, quando o presidente Paulinho declarou que a entidade cumprirá a cota de 30% de mulheres na direção nacional.

 

Consideramos isto uma vitória antecipada, que nos trouxe mais uma conquista: a indicação de nossa diretora Gislaine Sacilotto da Silva, tesoureira do Seaac, para compor a chapa eleita para a Direção Nacional Executiva da Força. Vale lembrar que nossa presidenta, Helena é titular da Secretaria da Mulher da Força Estadual e suplente na Secretaria Nacional de Direitos da Mulher pela Força Nacional.

 

Isto significa que cerca de 10 mil trabalhadores das categorias EAA de várias cidades da região de Americana, um dos municípios do país mais castigados pela globalização, estarão sendo diretamente representados na Executiva da mais importante Central Sindical do país.

 

Além disso, também ocupamos cargo de destaque em nossa Federação, onde Helena comanda a Secretaria de Assuntos da Mulher, Criança e Adolescente da FEAAC e no Conselho Municipal dos Direitos da Mulher de Americana, onde Antonia Vicente é conselheira.

 

Assim nos sentimos revigoradas para continuar buscando todas as frentes nas quais possamos lutar pela união dos trabalhadores e contra a discriminação da mulher, mesmo numa conjuntura difícil como a atual em que a avalanche de competitividade tenta esmagar os mais nobres sentimentos humanos.  

 

Compreender e preparar-se para as etapas desta luta é fundamental para alcançarmos o equilíbrio desejado nas questões relativas ao trabalho da mulher, pois, é preciso planejar e atuar para que as questões de gênero estejam presentes em nossa pauta diária e sejam tratadas como de interesse estratégico das categorias.

 

Mesmo nessa conjuntura adversa, temos conseguindo vitórias para as/os trabalhadoras/es e para o SEAAC, combatendo a grande desigualdade social que sofrem as mulheres e os trabalhadores neste país.

 

A Diretoria

 

 

INTESTINOS DO PODER....

 

Tá bem difícil não sentir indignação quando lemos revistas e jornais ou vemos na TV as caras cínicas e debochadas de pessoas como Delúbio Soares e Marcos Valério, que montaram uma máquina de lavagem e esquentamento de dinheiro, em favor de um partido que pretendia realizar um plano político de governo a longuíssimo prazo, no qual todos seus artífices, os donos da virtude e da verdade, permaneceriam no topo do poder, sabe Deus até quando. Uma maracutaia e tanto!

 

Os números são assombrosos, não se fala em reais, só em milhões de reais. São cifras tão grandes que aquele brasileiro que sobrevive com trezentinho por mês, só consegue entender que se o dinheiro não estivesse sendo desviado para obras superfaturadas, para o caixa dois de campanhas eleitorais e para o bolso de parlamentares, ele poderia ter uma vidinha um pouco menos dura.

 

E ponha dureza nisso! Madalena Joaquim Vivério, de 62 anos, catadora de papelão em Americana recebeu durante todo o mês passado apenas R$ 180. “Faz uns dois meses que eu não sei o que é carne”, confessa. Se esse dinheiro fosse dividido para todos, talvez gente igual a mim estivese vivendo bem melhor”, resume ela, para quem o salário dos sonhos é R$ 350. “Daria para pagar o aluguel e comer!” (O Liberal on-line)

 

E enquanto muitos sonham com um modesto salário de R$ 350, conquistado com o suor de seu trabalho, nossos parlamentares embolsavam pelo menos R$ 30 mil mensais por baixo da mesa, sem fazer nenhum esforço. Não dá para não ficar indignado, mas... e graças a Deus que sempre tem um mas... o escândalo veio à tona. Embora a situação mergulhada na lama insista em afirmar que a oposição deseja desestabilizar a democracia, isto não acontecerá. O Brasil já mostrou que é capaz de retirar um presidente da república de seu cargo, sem distúrbios ou desorganização e certamente vai mostrar que o país é muito maior do que o PT e sua ala podre, que por ser tão... digamos “atrapalhada”  não conseguiu pavimentar o caminho para uma longa estadia no poder.

 

O eleitor brasileiro está vigiando a CPI e exigindo que todos os culpados sejam punidos, mesmo que isso envolva políticos graúdos ou até mesmo o presidente da república. As atividades da CPI expondo a cada dia os intestinos do poder, também está mostrando a força da democracia brasileira. Se for bem conduzida, ajudara a dissipar a idéia de que todos os políticos são um bando de corruptos. E o PT não sairá impune deste embrólio, pois, agora, mais do que nunca, está claro para o brasileiro que este é o partido que quis calar a imprensa, amarrar as mãos do Ministério Público e controlar o Judiciário, em benefício próprio.

 

 A CPI e as próximas eleições irão selar o destino do PT, que poderá desmoronar, morrer ou quem sabe reorganizar-se, com a força e coragem dos petistas que não naufragarem neste lodaçal. Toda essa desilusão também se transformará em experiência para o brasileiro comum que a cada crise vai se tornando menos ingênuo, mais realista e não se deixará enganar por legendas ou políticos salvadores da pátria.

 

A Diretoria

 

 

SAMBA DO CRIOULO DOIDO...

 

Embora a pouco tempo tenhamos falado sobre a criminalidade e violência, este assunto está muito longe de ser resolvido. O aumento das taxas de criminalidade, da violência urbana e a falta de uma política de segurança pública eficaz têm levado os municípios a uma situação limite, de crise, de perda de controle pelas autoridades e de ameaça à vida dos cidadãos. Todas as esferas de vida na cidade são afetadas pelo clima de insegurança.  A área da segurança pública mais parece um samba do crioulo doido.

 

Ora, elaborar uma política de segurança é uma tarefa complexa. Seus custos são aparentemente elevados, ela precisa ser constantemente monitorada, revisada e atualizada e seus resultados só poderão ser notados a médio e longo prazo, envolvendo ações de prevenção, policiamento preventivo, investigação criminal, formação, treinamento e instrumentalização das polícias.

 

E só isto não basta. Uma firme política penitenciária tem de ser desenvolvida em conjunto com a política de segurança, fazendo-se cumprir as regras de tratamento que deve ser dado ao preso para sua reabilitação e retorno ao convívio social. Isto vale para o detento que esteja cumprindo pena, pena alternativa, prisão provisória ou liberdade condicional, em regime fechado ou aberto.

 

Precisamos de uma vontade política muito maior para resolver problemas tão graves e complexos.  Somente com políticas integradas, isto é: política de segurança pública + política penitenciária + políticas sociais + políticas de educação + saúde + saneamento + cultura e outras destinadas a combater as desigualdades e ampliar o acesso à cidadania poderemos minimizar os impactos causados pela criminalidade em nossa sociedade.

 

É bom lembrarmos que a pauta das próximas eleições exige uma definição clara acerca do papel de nossos representantes na busca de soluções para enfrentar a crise da violência urbana.

 

A diretoria

 
 

Sindicato dos Empregados de Agentes Autônomos do Comércio de Americana e Região

Trabalhador Conscientizado, Sindicato Transformado!