Home
SEAAC Blog
SEAAC Twitter
Olho no Olho
Base/Atendimento
Presidenta
Diretoria
Categorias
Circulares CCT
Acordos por Empresa
Acordos PPR
Jurídico
Homologações
Currículos
Parcerias
Lembrador
Info da Hora
Seaac Acontece
Associe-se Já!
Colônia de Férias EAA
Cadastro Empresa
Cadastro Associado
Salão de Beleza

 

OLHO NO OLHO!

 

 

PRECISAMOS ATENDER AO CHAMADO DE LUTA DOS TRABALHADORES!

 

Entramos em 2019 com um novo governo que promete aprofundar a retirada de direitos dos trabalhadores orquestrada pela esfera federal, para compensar as perdas com a crise econômica, com o argumento de que é preciso salvar a economia brasileira.

 

Após um ano de Reforma Trabalhista, vamos lembrar algumas alterações que foram geradas pela reforma e enfraquecem o trabalhador: redução do acesso à Justiça pelos trabalhadores, que precisam arcar com os gastos das ações em caso de derrota; CTs (comissões de trabalhadores) e OLTs (organizações por local de trabalho) podem negociar diretamente com as empresas, sem intermediação do sindicato; acabou o princípio de que, nas negociações salariais, vale a regra mais benéfica; a rescisão pode não ocorrer nos sindicatos e, sim, diretamente nas empresas, permitindo os “acordos” em que os trabalhadores recebem apenas 20% da multa do FGTS (ao invés dos 40% previstos em lei), entre outros; banco de Horas sob controle das empresas.

 

E, as estatísticas do IBGE apontam que o trabalho intermitente está se tornando maioria, o aumento da desigualdade social cresceu, a renda dos assalariados baixou, os salários mais baixo perderam 1,6% nos ganhos, os mais ricos aumentaram em 10% seus proventos, a diferença entre salários de homens e mulheres cresceu.

 

E agora vem aí outro ataque ao trabalhador com a Reforma Previdenciária cujo objetivo é acabar com a previdência que hoje existe e criar um sistema de capitalização, que beneficiará bancos e empresas que querem abocanhar sua fatia neste bolo suculento.

Só a resistência organizada do movimento de trabalhadores poderá deter o avanço dos empresários e do poder público, contra o segmento dos trabalhadores, que empobrece e perde qualidade de vida para enriquecer o capital.

 

Precisamos urgente lembrar que o movimento já impediu a aprovação da reforma nos anos de 2017 e 2018 através das greves gerais e protestos realizados em todo país. Por isso, trabalhador, é bom ficar atento e atender quando chamado à luta!

 

A Diretoria

 
 

Sindicato dos Empregados de Agentes Autônomos do Comércio de Americana e Região

Trabalhador Conscientizado, Sindicato Transformado!